Creme de Abóbora e Castanhas

Nesta época de pandemia em que ainda estamos tão resguardados em casa, vou partilhar convosco algumas das minhas receitas preferidas.

Hoje vou-vos apresentar um creme de abóbora e castanhas, que eu e minha família adoramos. Espero que gostem 🙂

Creme de abóbora e castanhas

Ingredientes

150g cebola

3 dentes de alho

40g de azeite

500g de abóbora em cubos

500g de castanhas

1l de água

1 caldo de legumes

sal e pimenta qb

200g cogumelos marron fatiados

tomilho fresco

 

Picar a cebola e dois dentes de alho e saltear até alourar. Juntar a abóbora em cubos e as castanhas, refogar durante 15m. Passado este tempo, adicionar a água com o caldo de legumes e deixar cozinhar por mais 15m.

Passar a sopa a puré e temperar com sal e pimenta.

Numa frigideira, saltear os cogumelos com alho e tomilho. Temperar com sal e pimenta.

Servir o creme com um fio de azeite e com os cogumelos salteados.

 

Bom apetite!!!

Continuar a ler

Hora do chá!

Hora do chá!

No século XIX, a duquesa de Bedford instaurou o costume de tomar chá com as suas amigas a meio da tarde. Um costume que não tardou a popularizar-se, convertendo-se na actualidade, num dos menus mais aclamados nos restaurantes de vanguarda da capital britânica.

Na verdade, o gosto pelo chá é partilhado pelo mundo fora, havendo inclusivamente eventos sociais onde o chá é o protagonista gastronómico, sendo assim conveniente estarmos cientes das linhas de comportamento a seguir.

A hora do chá britânica é importante não apenas pela pontualidade, mas também pelas sua regras:

  • A infusão do chá deve ser feita no bule e nunca na chávena.
  • A chávena segura-se pela pega e nunca com as duas mãos, como se as estivesse a aquecer.
  • Quando se bebe o chá sentado, só se deve levantar a chávena. Se estiver em pé, o mais correto é acompanhar a chávena com o pires.
  • A colher deve ficar sempre no pires e nunca em contacto com a mesa ou a toalha.

A tradição e o contemporâneo uniram-se para manter este ritual  que ultrapassou fronteiras.

Continuar a ler

Casamentos – Regras de etiqueta para convidados

Casamentos – Regras de etiqueta para convidados

Já todos fomos convidados para muitos casamentos, mas ainda há muita confusão relativamente ao protocolo desta instituição social. Assim, vou abordar algumas algumas das regras para as quais todos os convidados deverão estar conscientes.

Código de vestuário

Toda a gente sabe a regra de ouro: não vestir branco. Por vezes, no entanto, quando é um casamento de verão, os convidados poderão pensar que o cor pérola ou marfim são hipóteses potenciais, mas na realidade não são… não queremos usar nada que possa ofuscar a noiva. O preto também é um don’t!

Num casamento que tenha lugar após as 18h, o código é estritamente cocktail ou vestido longo. A cor vermelha não está excluída desde que não pareça a Jessica Rabbit.

Convites

É simples: RSVP até à data indicada no convite. Se a data não estiver presente, responda tão prontamente quanto possível. Se for um e-convite, a regra é a mesma.

Quanto ao acompanhante

Relativamente aos acompanhantes, não se deve pedir para levar alguém em circunstância nenhuma. 

Prenda

O casamento é quando devemos dar a alguém exatamente o que pedem, nunca tente oferecer algo que esteja fora da lista de casamento. Deve-se sempre, mas sempre dar uma prenda de casamento, mesmo quando não se pode estar presente no evento.

Tenha um comportamento discreto

O principio a seguir é nunca ofuscar a noiva. Para além do óbvio – não se embebedar – não ver no casamento de um ente querido uma oportunidade romântica para pedir a namorada em casamento – fazer um brinde ou discurso sem embaraçar os noivos de forma nenhuma.

Seguindo esta dicas é seguro que terá um comportamento  irrepreensível, e que num futuro próximo ninguém terá dúvidas quando pensar em convidá-la para um casamento 🙂

Continuar a ler

Jantar em Lisboa – Boa comida e excelente design…

Jantar em Lisboa – Boa comida e excelente design

O sucesso de um bom restaurante hoje em dia já não se resume apenas à boa comida. Sim, grande parte deste sucesso está ligado ao seu design, porque o ambiente de um espaço tem um papel fundamental em toda a experiência de degustação. 

O design na restauração está a tornar-se tão decadente como o seu menu, existe uma tendência baseada nos anos 70 e 80 nesta área da decoração. A crescente utilização de cromados e dourados, de plexiglass, de linóleo e de cores neon, está cada mais e mais presente.

O Sud Lisboa é um excelente exemplo desta nova tendência, resultado magnifico do trabalho do designer Lazaro Rosa, aliando a perfeição do design à mestria do chef Angel Reyes, e às suas criações “de fusão”, tão ricas em sabor, como na apresentação, este espaço está na lista dos meus restaurantes preferidos em Lisboa.

 

 

Continuar a ler

Portinho da Arrábida – O nosso cantinho à beira mar..

Portinho da Arrábida – O nosso cantinho à beira mar…

Logo que aparecem os primeiros de raios de sol acompanhados por um calorzinho aconchegante, que convide a umas horas de praia, a minha família corre para aquele que consideramos o nosso cantinho à beira-mar,  o Portinho da Arrábida.

É bem verdade, a época balnear está a poucos dias de terminar (o que me deprime um pouco, confesso), mas não podia deixar de partilhar convosco, aquela que é a minha preferida das sete maravilhas de naturais de Portugal.

A verdade é que é um privilégio poder usufruir das suas águas cristalinas, a contrastarem com as encostas verdejantes da Serra da Arrábida… e se levarmos o melhor que a moda de praia, nos trouxe dos 90’s, os fatos de banho super cavados, que permitem que nós baixinhas, saibamos qual a sensação de termos as pernas um pouco mais longas, e que ainda escondem qualquer gordurinha atrevida… ah sim, estes fatos de banho têm mais impacto em cores sólidas 🙂

Continuar a ler

Lisboa menina e moça…

 

Terraços do Carmo!

 

Quando temos a sorte de viver num local tão extraordinário como Lisboa, temos muito por onde escolher quando nos apetece passar um bom final de tarde.

Hoje, tenho como pano de fundo os magníficos Terraços do Carmo. Para além das fantásticas esplanadas, temos disponíveis umas relaxantes esperguiçadeiras, onde podemos contemplar o que Lisboa de melhor tem para nos oferecer – a luz!!!

Optei por um vestido em seda, muito fluido e que contrasta tão bem com o verde da relva do espaço, mas sobretudo com os coloridos pasteis da inspiradora arquitetura.

Muito obrigada cidade a ponto-luz bordada!!!

Continuar a ler